terça-feira, 3 de março de 2009

E nasce um verbo!


Não sou supersticiosa (com exceção do que se refere a futebol), mas fui vítima de um episódio lamentável nessa última sexta-feira 13. Meu celular submergiu na privada do banheiro da empresa para a qual presto serviço remunerado. Além do constrangimento do acontecido e de ter moblizado uma equipe de manutenção para desentupir o encanamento do banheiro, fiquei sem a minha preciosa agenda. E tive que desembolsar uma considerável quantia para comprar outro aparelho, o que não foi nada oportuno diante da situação de total periclitância na qual me encontro.

Mas enfim... nem a engenhosidade para explicar de que forma o celular foi arremessado no fundo do vaso sanitário; nem o prejuízo financeiro; nem os números de possíveis companhias para noites solitárias que se foram, literalmente, pelo cano. Nada me estressou mais do que a operação para transferir o meu antigo número para o chip atual. Três dias depois de ter feito o pedido na loja e continuar incomunicável, ligo para o famigerado telemarketing da operadora. Reproduzo a saga:


(gravação maldita de uma maldita voz com carregado sotaque paulistano):
- Digite o número do telefone para o qual deseja atendimeiiiinto

Digitado o número, me contemplam com alguns minutos de espera embalada por aquela musiquinha que desperta ímpetos suicidas (ou homicidas, no meu caso). Até que uma senhorita faz o favor de me atender:

- Claro, boa tarde, com quem falo? (saco)
- Musa

- Pois não, senhora Musa. Para que número deseja atendimeiiiiiinto?

- Como assim? Já não digitei o número??
- Sim, senhora. É só pra confirmar


Confirmar o que??? Que também sei expressar oralmente além o número digitado no tecladinho do telefone??? A vontade era de mandar a sujeita para o raio que a partisse, mas respirei fundo e falei o número, explicando o que me levara a perder preciosos minutos do meu dia ligando para um serviço de teleatendimeiiiiiinto:

- Pedi a ativação do chip com o meu número antigo há três dias e nada aconteceu. O prazo era de 24 horas. Pode resolver?
- Pois não, senhora Musa (horas depois). Já fiz novo pedido de ativação e deiiiintro de 6 horas o chip estará funcionando.
- Como seis horas, filha? O prazo inicial era de 24, já se passaram mais de 72. Você quer agora que eu espere mais seis?? (berrando)

Me arrependi do gesto grosseiro. Simpática, a dedicada atendente esclareceu:

- Calma, senhora. Esse é o prazo máximo. Possa ser que ative em seis horas, mas também possa ser que esteja ativado daqui a cinco minutos. Vou pedir urgência.

E não é que em cinco minutos o chip estava ativadíssimo? É... possa ser que eu tenha mais carinho pelas moças do telemarketing daqui pra frente...

8 comentários:

Emerson Reis, M.D disse...

Hum, que oportunidade, ser o primeiro a comentar um post da minha Musa!!! Bem, a gente é meio "sinedoquista", sim, gosto de criar neologismos. Explico, tomamos a pessoa como se fosse a corporação toda, como ocorre naquela figura de linguagem, a sinédoque. As pobres mocinhas, que muitas vezes podem estar em Cu-do-Judas do Sul, ou do Norte, devido à globalização dos "callcenters" (vamos ter de reorganizar essa língua portuguesa, hem?), daqui a uns anos poderão estar em Mumbai. Só não estão porque nós falamos esse idioma meio estranho. Fico feliz de você ter sido atendida!!! Beijo grande. Emerson

http://www.mersonreis.blogspot.com

Fabricio Yuri disse...

que isso? crossover? http://www.estareiteirritando.blogspot.com/ no musa? aliás, vc bem que podia postar essa la na CrespoHaus!
abraco!

Ana disse...

Li um trabalho sobre isso, enquanto esquentava banco no mestrado. Sabe porque elas usam estarei retornando a ligação?

Por um problema na tradução dos manuais. Em inglês - de onde vem essa desgraça - seria I will be calling you, e não teria problema algum.

Um porco qualquer traduziu pra eu estarei te ligando...e aí...fudeu.

Bjo!

Raphael Crespo disse...

Opa!!!
O "Senhor, estarei te irritando..." vai chupar a musa em breve. No bom sentido, é claro!
E com os devidos créditos.

tati disse...

Não há uma vez que eu ligue pra operadora que eu não me estresse... E pq toda vez que vamos imitar o telemarkt, fazemos sotaque paulista? Já falei com tantos baianos do outro lado! hheheheh

bjosss e saudades! :P

Eliane Santos disse...

Queridíssima musa, se soubesse do seu infortúnio antes, teríamos trocado experiência e te contaria como resolvi um caso de celular caído no vaso. Depois de recuperar o aparelho ensopado daquela água nojenta, mas desesperada por causa da agenda de contatos dele, tentei de tudo... Sequei, abri, coloquei no sol, usei secador de cabelo para secar melhor... e nada do aparelhinho voltar a funcionar. Fui à loja da Claro (sempre a Claro) para saber se tinha algo que pudéssemos fazer, já que na época ainda não existia chip. Depois de esperar três horas na fila de uma loja na Uruguaina, no Centro do Rio, recebo o veredicto de que não há o que fazer. Meu celular está morto. Puta, desesperada por causa de vários contatos importantes que havia ali, saio da loja e dou de cara com o mercadão da Uruguaiana, mais especificamente com uma plaquinha que dizia que consertamos qualquer problema no se celular. Como já estava fudida mesmo, fudida e meio lá fui eu pra tal da barraquinha do camelot. Expliquei o ocorrido, o moço disse que era mole e que ficava em R$ 25 o serviço. Topei, mas disse que só pagava depois de consertado. Ele abriu o celular, tirou a plaquinha que tem os contatos de metais, mergulhou em uma solução ácida (e eu pensando, agora que fudeu de vez mesmo), tirou, secou com o secador (aham!) e começou a limpar as partes de metal com borracha, daquelas que vc usava no colégio, no final do lápis. Pois bem, terminou, fechou o aparelho e me entregou. Voilá! Funcionava como se nada tivesse acontecido. Levou 20 minutos e custou R$ 25.

beijodepracinha disse...

Querida musa: agora eu também tenho um blog. Ele se chama "Beijo de Pracinha". Relatos de uma noiva em seus últimos meses de solteirice. E os "facinantes" noivos voce já conhece. www.beijodepracinha.wordpress.com

Beijo!

Juliana disse...

Realmente, Thati, há coisas que só acontecem com você!
Depois mando meu número, por via das dúvidas.
Bjs