segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Mamy e suas convicções


Não sei se já contei aqui, mas mamy cultiva um péssimo hábito. Na verdade (quem é leitor no Musa sabe), ela cultiva vários hábitos ruins, mas abordarei neste relato o que mais me incomoda: o de contar podres do meu passado a qualquer incauto que apareça aqui em casa e se aventure a engatar com ela um papo.

Ocorre, porém, que apesar dos indícios que apontam o contrário, meu passado nem é tão negro assim. Muito boa aluna na escola, não-usuária de narcóticos e virgem até idade avançada pros padrões da época, considero ter sido, quando jovenzinha, o que se convencionou chamar "uma boa moça". O negócio é que até as boas moças cometem lá seus deslizes. E o meu foi cair de amores por um sujeitinho de índole duvidosa, que viria futuramente a ser o pai biológico do meu rebento.

E foram esses citados desvios de conduta - a paixonite pelo vadio e a consequente prenhês do mesmo - que fizeram mamy me condenar, sem direito à fiança, a ouvir essa história ressuscitada a cada discussão como argumento para me penalizar ou para mostrar aos meus convivas o quanto ela - e todos com quem tenho laços consanguíneos - sofreram:

- Ela já fugiu de casa com a roupa do corpo pra viajar com ele. O pai chorava feito criança, relatou dia desses para a amiga Andréa.

Todavia, creio que o objetivo maior de mamy ao descrever esses lapsos da minha juventude com pormenores dos quais sequer eu me lembro - até porque já se foram uns 15 anos desde o acontecido - é mesmo o de se vangloriar. Afinal, o desfecho feliz que a história teve, uma vez que um dia me curei da paixonite pelo tal moçoilo, só ocorreu graças a quem? Sim, a ela mesma. Mamy!

Mas como? Perguntarão os incautos leitores. Pois lhes respondo reproduzindo aqui as palavras da minha própria "salvadora":

-Muita macumba, meu(a) filho(a)! Ah, se eu não tivesse apelado pra todos os meus santos...

12 comentários:

Edu Farias disse...

huauhahuhuahuahuauhauahuhu Só vc e sua mamy para alegrar minha madrugada, Thati!! É daquelas que vou rir toda vez que lembrar! rs

Juliana disse...

Que reza forte, heim? hahahahaha
Figura, muito figura!

Renata Acioli disse...

Thati, essa é muito boa... nem te digo que minha mãe adora fazer o mesmo. Por que meu Deus, por que????
Adorei o texto!!!

Biessa disse...

hahahahaha Ai, Tati, só rindo mesmo

Fabricio Yuri disse...

hj eh quarta neh? então, eparrei, ã, ã...
+)))))))

Luisa Belchior disse...

Oi Tatiana,
Vim ver seu blog por indicação da Mari Dantas e adorei. Achei a sua crônica leve mas muito consistente e gostosa de ler, além da sua evidente veia cômica! parabéns!

Musa de Caminhoneiro disse...

Obrigada, Luisa.

Fernanda Costalonga disse...

vc precisa escrever um livro e começar a ganhar dinheiro com as pérolas da sua mãe... eu compro!

andrekano disse...

Tati, quando eu for na sua casa um dia vc pode ir passear com o filhote que eu vou ficar de papo com a mamy.

Eliane Santos disse...

Achei que ela fosse do tipo mais carola... Sensacional saber que ela não mede esforços para conseguir o que quer... Sua mãe é praticamente uma Odete Roitman de Niterói..rs

Michele Maia disse...

Ai querida... Que saudades de você e mamy!
Como você escreve bem! Quando crescer quero ser igual!
Bjs

Cesar disse...

Diz pra Mammy que a gente que faz boas ações não fica contanto pra todo mundo, pra ela fazer a macumbinha em segredo! :-)