quinta-feira, 19 de julho de 2007

Quer experimentar, amô?

O vocabulário popular é mesmo de um dinamismo de impressionar. Expressões e gírias criadas sabe-se lá por quem são disseminadas com rapidez inacreditável. Calma, gente! Não pretendo propôr aqui no Musa uma análise sobre linguística. Virei uma balzaca séria, mas nem tanto. Falo isso para relatar em primeira mão para os meus fiéis leitores uma descoberta vocabular que, acredito euzinha, seja ainda desconhecida por vocês, pessoas cultas, polidas e frequentadoras de lugares distintos.

Já eu- que além de ter virado amiga dos mototaxistas da minha rua e de ter dado aulas em Nova Iguaçu- sou presença certa nas 'barraca' do Morro do Palácio e em outros espaços do povão, acabei virando expert em gírias e expressões do segmento. E fonte para os meus amigos polidos. Outro dia, por exemplo, tive a honra de esclarecer para uma amiguinha do jornal em que trabalho que a expressão "largar o dedo" não tinha conotação sexual, como ela pensara.

Mas vamos a tal descoberta. Dia desses, pesquisando casacos baratinhos numa loja dos arredores do Saara, fui chamada de "amô" pela vendedora.
- Quer experimetar o pretinho, amô?- perguntou-me a moçoila.
Apesar do espanto, pensei tratar-se apenas de uma funcionária dedicada que, no seu desejo de garantir a comissão, fazia de um tudo pra agradar a freguesa. Até que paro pra comer um pastel e tomar um caldo de cana num pé sujo vizinho à loja e ouço do rapazinho que me atendeu:
-O de queijo acabou, amô!

Peraí!! Até onde eu sei, atendentes de lanchonete do Saara não dependem de comissão. E o que era desconfiança virou constatação quando, dias depois, passando em frente a uma loja de modelitos estilo Viviane Araújo, no Centro de Niterói, recebo um convite da vendedora:
-Pode chegar, amô!

É fato! O famigerado "nem" (ele mesmo, o vocativo que serve para os dois gêneros, o usado pela moçoila de vida alegre para me avisar da presença ameaçadora de uma ratazana) acaba de ganhar uma variável!! O também fofíssimo "amô"!

Aguardem! Em breve, vocês estarão ouvindo coisas do tipo "Partiu Belo na Via Show, amô?"

Como é terno e carinhoso o povo carioca...

15 comentários:

Naila disse...

Amiga, o seu blog é realmente sensacional. Tô morrendo de rir. Eu fico imaginando o que passou pela cabeça dessa tal colega de trabalho ao ouvir a expressão 'largar o dedo'. Deve ter se empolgado toda, ou ficado constrangida, mal sabendo que o significado era meio bizarro (minha origem suburbana não me deixa ficar de fora dessa!). Bem, parabéns pelo post, amô!

gervasio.daraujo disse...

Thati, "largar o dedo" é atirar? Esse "amô" eu já ouvi, até para mim que sou, digamos, um homem maduro. A história da ratazana é impagável. Adorei seu blog, ó Musa de Caminhoneiro (para tanto você precisaria engordar. Não o faça e continue gostosinha...)!!! Beijão !

Musa de Caminhoneiro disse...

Êpa! Mais um solicitando meus "silviço' de tradutora! Largar o dedo é atirar sim! hehe
beijos

Fádua Capellari disse...

Thati, minha querida!

Ontem mesmo eu estava olhando seu blog... que saudade de você!

Essas suas histórias seriam apenas simples histórias, se não fosse esse seu jeito único de contá-las!

Você só me faz rir

Beijo carinhoso
Se cuida

Fernando disse...

Pois é, falando em "largar o dedo" eu já ouvi: "cuidado com o que vc. fala porque senão vai acabar levando uma gargalhada de tiros".
Isso s/ falar no "molho acompanha" para churrasco.
beijão

Cláudia Ruiva disse...

Querida Thati,

Você sabe que eu, como membro da alta burguesia provinciana, jamais teria conhecimento de tais expressões cotidianas usadas pela (falta de) classe menos abastada se não fosse o serviço de utilidade pública prestado por você. Muito grata!

Beijos saudosos!

Marci disse...

Pô nem!

Nem que eu não quisesse, ainda assim eu teria que concordar contigo. Realmente o tal "amô" é o sucessor do "nem"...O pior é que ambos são utilizado em larga escala na baixada (aonde resido) kkkkk...Vai desde o cobrador de ônibus ("Pode passar nem!") ao vendedor de biscoito Globo no sinal (Vai rosca amô?").

É ruim, podia ser pior...Imagina se pra suceder o tal "nem" passam a usar "flô"

Tio Xavier™ disse...

Preciso ampliar meus conhecimentos. Já estou de saco cheio dos neologismos do idioma "consultês" que sou obrigado a ouvir quase todo dia. Qualquer hora eu coleciono alguns e posto.

Jane disse...

Thati, essa pra mim foi novidade! Acho que vou colecionar as novas girias! E pra mim voce pode mandar email sempre, sempre vale o lembrete pra visitar seu blog e me divertir com suas historias! (eu sou meio esquecida, sabe... rs) Beijos!

Eduardo disse...

Dorei, amô! Como sempre! Embora entre nós, eu prefira chêro! huauhahuaau beijos!! Eduardo

Denizar disse...

Mandô, Tathi! Show! Já é!

Leo disse...

cara, "nem" já era muito ruim, "amô" então... muito bizarro!
a criatividade do andar de baixo é muito interessante. agora eu tô morando c dois malucos do espírito santo, eles vem c cada uma. vc sabe o q é pocar?

Juliana disse...

Sempre diga não quando uma frase tiver "amô", ok!? :)
Bjss

Musa de Caminhoneiro disse...

Léo, pocar seria estourar? Meus parentes lá de Campos falam isso...hehehe

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado