quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

A "mulher" de 12 anos

Sou moça moderna, cosmopolita, cabeça aberta e coisa e tal... Mas o meu lado careta de quem passou a adolescência em uma província moralista vem à tona de vez em quando. E um episódio vivido hoje fez a caipira que existe em mim aflorar de modo a quase tomar conta do meu ser e dele se apoderar para sempre.

Dando uma daquelas zapeadas nos 328 canais da TV paga, paro na Globo News, que exibia uma matéria sobre os malefícios do uso contínuo do salto alto. Pro tema- tão inédito no jornalismo quanto a dieta do Mediterrâneo no Globo Repórter - eu não tava nem aí, afinal de contas, sou meio desajeitada e nem salto alto uso. Mas a personagem principal da reportagem, uma menina gorduchinha, acendeu meu alerta vermelho.

Toda maquiada e vestida feito uma periguete abastada, a rechochuda jovenzinha se comunicava com o repórter por meio de vocabulário compatível ao de uma pós-adolescente frequentadora de boates da Barra da Tijuca. Com um sapato de salto enorme nas mãos, ela explicava: "Esse eu uso na balada, com um vestido mais curtinho". De posse de outro calçado, cravejado de pedras de strass e com salto semelhante a um sapato de passista de escola de samba, ela dizia "curtir uma pizza com as amigas e sair com os pais". Enquanto ela falava, a câmera exibia uma coleção de algumas dezenas de acessórios para os pés dotados de enormes plataformas e saltos agulha.

"E por que diabos uma mocinha rechonchuda amante de salto alto chamaria a atenção de alguém a ponto de virar tema de um post de blog?", devem estar se perguntando. Pois vos digo, leitores. Pelo fato de a esférica jovem em questão ter apenas 12 anos de idade. Eu disse DOZE! Nem peitinho evidente a menina tinha! Se bobear, nem teve a menarca! E já usa salto alto na "balada", combinado com o vestidinho curto. Como assim, leitores? Que mundo é esse? Na minha época de pré-adolescência, lá pelo começo dos anos 90, papai me daria uma boa coça de Samoa se me visse saindo de casa vestida e falando feito uma pequena piranha! Ora essa!

Ok, as coisas mudam, eu passei dos 30, a Xuxa não é a mais a Rainha dos Baixinhos, a coça de chinelo foi abolida da educação e não existe mais festinha americana com dança da vassoura. Mas reafirmo: não consigo conceber como coisa saudável uma menina de 12 anos usar salto alto! Muito menos ir pra "balada" com amigas. Mané balada! A uma criança dessa idade deveria ser permitido no máximo um daqueles rodízios de massa com amiguinhas do balé! Humpf!

Pra quem ainda atribui o protesto acima à minha possível rabugice, descrevo o trecho da reportagem em que a menina se junta à mãe - também dona de uma coleção de saltos altos - para que as duas relatem situações de aperto advindas desse tipo de vaidade.

Repórter:
- Apesar de saber que faz mal, a senhora deixa a sua filha usar o salto alto. Por que?

Mãe imbecil:
- Pois é... ela adora, né? Não tem jeito! Não consigo proibir.

Peraí! Como não consegue proibir, Senhor? A pequena periquete tem renda própria? Ela sai de casa, escolhe seus próprios sapatos no shopping e os arruma no closet em gradação de cor sem que a mãe saiba? Ok. Segue:

Repórter (para a pequena periguete):
- Você já sentiu dores ou levou um tombo por causa do salto?

Pequena periguete (às gargalhadas)
- Uma vez, na balada, eu parei de sentir minha panturrilha. Tive que sentar no chão até a dormência passar, mas não passou. Fui embora me segurando nas minhas amigas, mas não desci do salto! A gente fala uma pra outra: "Aguenta, amiga. Nós somos mulheres, temos que sofrer".

Mãe (rindo feito uma hiena):
- Pois é... mulher pra ficar bonita tem que sofrer.

Então a filha de 12 anos dessa sujeita é uma "mulher"? Então a filha de 12 anos diz num canal de TV que sentou num chão de boate porque teve a panturrilha temporariamente danificada por um salto alto e a criatura sorri? Pois diante desse quadro, eu profetizo sem medo: se com 12 anos a coisa tá nesse pé, quando tiver a minha idade, essa menina já será uma Suzana Vieira.


11 comentários:

Naila Oliveira disse...

Se minha filha fosse, levava uma coça só por pensar numa coisa dessas!!! Hahahahaha

Amiga, já avaliou que pode ser uma dessas que vai dar uns pegas no seu filho?

Boa sorte aí e vida longa ao Musa e à Musa

Musa de Caminhoneiro disse...

Se aparecer aqui em casa, eu boto pra correr! Pra ter a honra de namorar meu valoroso filho tem que ser moça distinta!

Naila Oliveira disse...

Eita, então é por isso que somos solteiras? Hahahahahahahah

Juliana disse...

O único salto que usava aos 12 eram os que eu assaltava no armário da minha mãe pra brincar em casa! Entendeu? BRINCAR!
Deixando de lado toda a discussão sobre de quem é a culpa da menina estar assim ou o que se fazer, eu só consigo sentir muita pena. Pena de quem perde a oportunidade de aproveitar a infância, uma fase tão deliciosa da vida.
Bjs e enormes e saudoso, Musa!

Musa de Caminhoneiro disse...

Eu também sinto pena. Essa menina, se bobear, já deixou de brincar de boneca desde os 10 anos.

Hirto disse...

muitas dessas já trocaram as bonecas pelos "brinquedinhos" da mamãe.

Cheshire cat disse...

Minhas alunas da sexta série vão à aula mais maquiadas que eu para a "balada". Tá feia a coisa.

Dona Sra. Urtigão disse...

Ué!?! Com as mídias e toda a sociedade hipererotizando as criacinhas, a antiga rainha dos baixinhos produzia "modelitos" nada infantis e estimulava as mães, que se desorientaram e toda a educação que restou ao povo é estaé as liçoes que repetem nas letras dos funks e similares. Os mais intelectualizados curtem um sertanejo.
E se o doutor ortopedista falar p'ra menina que salto faz mal, corre o risco de levar uma sapatada.
(gostei daqui, vou voltar )

Raquel Med Andrade disse...

Claro que esse fenômeno da preconização da vida adulta para crianças e pré - adolescentes é mesmo antigo. Lembro, inclusive, da minha infância, quando eu cobiçava horríveis shortinhos jeans vendidos pela finada grife "Bicho Comeu",enquanto minha mãe fazia questão de me vestir com vestidos rodados, que hoje acho lindíssimos nas fotos...rsrss.Todo esse parêntese para ilustrar e lembrar que o absurdo de tanta antecedência e amadurecimento precoce só podem ser evitados pelos responsáveis, pessoas que provavelmente projetam suas pulsões mal resolvidas nos filhos...Uma pena :- ( !
Parabéns pelo post!Afinal,figurinos tipo "piranhas mirins" parecem ser o standart do nosso tempo...

Tio Xavier™ 4.4 EconoFlex disse...

Vocês não vêem que essa geração de mães idiotas e desprovidas de senso foram "educadas" pela rainha dos baixinhos com seus shortinhos?

Preparem-se para o Armagedon: essas pirigueteens estão sendo instruídas por ícones muito piores. Teremos saudades do ilariê.

E eu que ainda acredito em Educação... pqp...

Gerson disse...

Ai, que saudades das muié distinta.
Boquete depois dos treze,
Cabaço depois dos quinze,
Bundinha depois dos vinte,
suruba depois dos trinta...