terça-feira, 15 de agosto de 2006

Shopping e celular: O inferno existe


Superado o trauma de ver meu celular comprado há dois meses submergir numa poça d`água, tomei coragem pra ir compra outro aparelho, já que enquanto jornalista assoberbada, atarefada e cheia de compromissos, não posso viver sem o bendito aparelhinho.

Já sai de casa de péssimo humor por ter que entrar num shopping em pleno sábado, coisa que eu odeio. Chegando lá, percebi que o meu calvário seria pior que o imaginado. Era véspera do dia dos pais! Como não tenho mais pai, havia me esquecido completamente deste detalhe. Puta que pariu! Era a visão do inferno!!

Fila na escada rolante, lojas absurdamente lotadas. E a loja da Tim, onde eu deveria ir, era uma das mais cheias. Por que caralhos virou moda presentear pai e mãe com celulares nos seus respectivos dias? Coisa mais cafona! Enfim...

Depois de meia hora de espera, consegui ser atendida e, pra minha total decepção, fui informada que não ganharia desconto em novo aparelho, pois meu contrato tem menos de seis meses. Conclusão: embora meu plano seja de conta, teria que pagar o preço de aparelho pré-pago. Usei de um eufemismo pra mandar a gerente tomar no cu e me dirigi a outra sucursal do inferno aqui na Terra, a Casa & Vídeo, pra comprar um daqueles aparelhos desbloqueados.

Não preciso nem dizer que fiquei meia hora numa fila pra escolher o aparelho, outra meia hora na fila pra pagar, uma encarnação esperando a aprovação do credito e mais um equinócio aguardando o vendedor voltar do maldito estoque. E sai de lá com mais uma prestação...

Como dizia vovó, todo castigo pra pobre é pouco!

6 comentários:

Kano disse...

Mas afinal. Como o poeta, vc tb está viva, foi ao inferno e voltou, mas não disse qual é o seu novo número. Beijos e parabéns pelo blog. Kano

Marcel disse...

E por essas e outras que não tenho celular! Só celulite... :(

Ostiano disse...

Ah Tati, que mau humor... Procure ver sempre o lado bom das coisas. Neste seu caso específico o lado bom foi... foi... foi... ah, sei lá. Mas se olhar com carinho, vc certamente vai encontrar uma justiça poética ou uma lição de vida qualquer nesta história toda. Detalhe, também não tenho celular e vivo feliz pra caramba :))

Rosângela Comunale disse...

O que pensar dos tempos em que jornalista usava máquina de escrever e não tinha celular??? .

Rodrigo Rozendo disse...

O meu celular já caiu numa privada, e continua funcionando. Isso prova que a telefonia celular no Brasil é mesmo uma merda! Beijo!!!!!!!!!

Ju (prima da Dani) disse...

tati!! recebi um e-mail da dani com um link do seu blog e resolvi aparecer! to amando, muito engraçado! só vc mesmo pra me fazer rir as 2:26 da manha de domingo pra segunda em plena insonia...